Quem somos nós ?

Nos somos jovens camponeres (as), sem terra e camponeres(as)que de futuro, assim como outros, queremos tomar o contrôle da producao alimentar.

Nos chamanos camponeses (as) pessoas que produzem alimentacão em pequena escala, para a sua familia ou pare a communidade, e que eventualmente vende uma parte.

Nos incluimos igualmente os trabalhadores (deiras) agricoles.

A nossa intancão e de encorajar as pessoas a ficarem ou a volarem ao meio rural.

Nos provovemos a soberania alimentar ( defenido na declaracão de Nyeleni) e agricultura camponesa particularmente os jovens e os citadinos (as), assim como os meios de vida alternative.

Na Europa o conceito de soberania alimentar nao é muito comun e pode ser limpo através de ideia como a autonomia alimentar e o controle dos sistemas de alimentacão para as communidades no senso largo e não só as nacoes ou estados.

Nós estamos determinados a criar alternativas au capitalismo através de initiativos e de meios de produção coperativos, collectivos, autonomos, respondando as nossas necessidades e a pequena escala. Nos pomos as nossas ideias em pratica e nós associamos as aççoes locais, as lutas politicas globais para alcançar os nossos objectivos nós criamos açções com grupos militantes locais e colaboramos com initiativas existentes.

A razão pela qual nós escolhemos não ser um grupo homogêneo, mas sim abertos a variedade dos atores que lutan contra o modelo de produção alimentar capitalista .

Nos avançamos os temas do acesso a terra da agricultura coletiva e da direito as sementes.

Nos fortalecemos o nosso impacto com activistas que actuan em outros temas mas compartem a mesma visão social.

Porém a nossa abertura tem os seus limites.

Nós estamos determinados a retomar o contrôle das nossas vidas e recusar qualquer forma de autoritarismo e hierarquia.

Nos fazemos um compromisso para respeitar a natureza e os seres vivos mas nós nunca toleraremos qualquer forma de discriminação que seja baseada na raça, religão, tipo, nacionalidade, orientação sexual ou estado social.

Nos recusamos e defendemos de maneira forte contra qualquer forma de exploração de pessoas.

Com as mesma força nos agiremos com convivialidade fazendo da solidaridade uma pratica concreta da nossa vida cotidiana.

Nos apoiamos as lutas e visões da vida campesina e trabahamos para as fortalecer ao nivel dos jovems europeios.

Nos desejamos compartilhar conhecimantos e experiência adquirida com anos de militante e de vida de camponês e enriquecer com as perceptivas desses que entre nos não e são.

Nós sofremos todas as consequências das mesmas politicas e participamos a mesma luta.

 

Texto final de apresentacão de RTF durante assemblêia para Basta.